Publicado por: Sadofly | setembro 23, 2010

Sadofly – Dornier DO-27

Anúncios
Publicado por: Sadofly | setembro 19, 2010

Dicas básicas sobre a escolha de uma hélice

A escolha da hélice é um dos passos mais importantes antes de se colocar qualquer avião telecomandado no ar.

O objectivo da hélice é puxar o ar à sua volta e empurrá-lo numa determinada direcção. No caso do aeromodelismo, como é lógico,  as hélices puxam o ar da frente do avião para trás fazendo com que o aeromodelo se desloque para a frente.

O objectivo da escolha da hélice para um determinado aeromodelo é alcançar o máximo desempenho da hélice tendo em conta o motor que está a ser utilizado, ou seja, saber qual será a força realizada e a velocidade possível, e para isso, é essencial conhecer o torque do motor, o passo da hélice e seu raio.

Para o mesmo valor de rotação do motor, quanto maior for o raio da hélice, mantidos todos os outros parâmetros, maior será a quantidade de ar deslocada por volta, logo existe uma maior força a aplicar pelo motor não se podendo por isso aumentar demasiado o raio pois causará a perda de rotação do motor.

Para o mesmo valor de rotação do motor, se aumentarmos o passo da hélice, uma quantidade maior de ar irá passar pela hélice, aumentando a velocidade. Concluindo, se aumentar o passo da hélice, a velocidade do avião poderá ser maior, e vice-versa. Contudo, mais uma vez, ao se aumentar em demasia o passo da hélice, o motor perde rotação.

Como se acabou de verificar, as duas grandezas mais importantes na escolha da hélice é o diâmetro e o passo. Outras grandezas a ter em conta na escolha da hélice são o material das pás e o número de pás. De seguida são apresentados os efeitos proporcionados  na eficiência da hélice ao se alterar cada uma destas grandezas:

  • Diâmetro (explicado acima)
  • Passo (explicado acima)
  • Nº Pás

Quanto mais pás uma hélice tiver, mais força é exercida por volta. Geralmente aumenta-se o número de pás na hélice quando a hélice ideal é muito grande comparada ao tamanho do avião, de modo a diminuir o seu diâmetro.

  • Material das Pás

A explicação deste tópico é bastante complexo pois também depende do fabricante da hélice. Resumidamente, os tipos de hélices mais conhecidas são as de Nylon, Madeira, Fibra e de Carbono. Comparando as hélices mais utilizadas, Nylon e Madeira, a de madeira tem uma melhor eficiência pois com o aumentar de velocidade tem uma deflexão menor.

Para facilitar a escolha da hélice aos aeromodelistas, cada motor tem no seu manual a hélice recomendada de acordo com as suas característica, bem como diversas combinações passo – diâmetro. Existem ainda tabelas de referência para a escolha da hélice depende da motorização, tal como se pode ver na figuras seguintes:

Motores a 2 tempos

Motores a 4 tempos
Cilindrada
(em polegadas
cúbicas)
Tamanho
standard
Alternativo Cilindrada
(em polegadas
cúbicas)
Tamanho
standard
Alternativo
.049 6 x 3 5-1/4 x 4
5-1/2 x 4
6-3-1/2
6 x 4
7 x 3
.20 – .21 9 x 6 9 x 5
10 x 5
09 7 x 4 7 x 3
7 x 4-1/2
7 x 5
.40 11 x 6 10 x 6
10 x 7
11 x 4
11 x 5
11 x 7
11 x 7-1/2
12 x 4
12 x 5
.15 8 x 4 8 x 5
8 x 6
9 x 4
.45 – .48 11 x 6 10 x 6
10 x 7
10 x 8
11 x 7
11 x 7-1/2
12 x 4
12 x 5
12 x 6
.19 – .25 9 x 4 8 x 5
8 x 6
9 x 5
.60 – .65 12 x 6 11 x 7-1/2
11 x 7-3/4
11 x 8
12 x 8
13 x 5
13 x 6
14 x 5
14 x 6
.29 – .30 9 x 6 9 x 7
9-1/2 x 6
10 x 5
.80 13 x 6 12 x 8
13 x 8
14 x 4
14 x 6
.35 – .36 10 x 6 9 x 7
10 x 5
11 x 4
.90 14 x 6 12 x 10
13 x 8
14 x 8
15 x 6
.40 10 x 6 9 x 8
11 x 5
1.20 16 x 6 14 x 8
15 x 6
15 x 8
16 x 8
17 x 6
18 x 5
18 x 6
.45 10 x 7 10 x 6
11 x 5
11 x 6
12 x 4
1.60 16 x 6 15 x 6
15 x 8
16 x 8
18 x 6
18 x 8
20 x 6
50 11 x 6 10 x 8
11 x 7
12 x 4
12 x 5
2.40 18 x 10 18 x 12
20 x 8
20 x 10
.60 – .61 11 x 7 11 x 7-1/2
11 x 7-3/4
11-8
12 x 6
2.70 20 x 8 18 x 10
18 x 12
.70 12 x 6 11 x 8
12 x 8
13 x 6
14 x 4
3.00 20 x 10 18 x 12
20 x 10
.78 – .80 13 x 6 12 x 8
14 x 4
14 x 5
Nota:

Esta tabela refere-se
a hélices de duas pás.

Para uma hélice tripá
experimente a medida
imediatamente
inferior.

1.08 16 x 6 15 x 8
18 x 5
.90 – .91 14 x 6 13 x 8
15 x 6
16 x 5
1.20 16 x 8 16 x 10
18 x 5
18 x 6
1.50 18 x 6 18 x 8
20 x 6
1.80 18 x 8 18 x 10
20 x 6
20 x 8
22 x 6
2.00 20 x 8 18 x 10
20 x 6
20 x 10
22 x 6

Publicado por: Sadofly | setembro 11, 2010

Mini Bee RTF 2,4 GHz

Modelo eléctrico pronto a voar ideal para pilotos iniciantes e não só. Um modelo que certamente dá a qualquer aeromodelismo momentos de grande diversão.

Este modelo é um excelente Park-Flyer e o facto de poder ser transportado numa mala  alumínio torna-o bastante portável.

Especificações Técnicas:

  • Envergadura: 500 mm
  • Comprimento: 396 mm
  • Peso: 65 g
  • Modelo construído em EPP
  • Electrónica previamente instalada: Receptor, Motorização, 2 Micro Servos, Bateria

O kit inclui:

  • Modelo
  • Maleta de Alumínio
  • 2 Baterias Lipo 7,4 V 180 mAh
  • 2 hélices
  • Carregador Rápido AC / DC
  • Emissor 2,4 GHz 4 canais

Vídeos:

Publicado por: Sadofly | agosto 31, 2010

Cuidados a ter com o combustível

O objectivo deste post é dar a conhecer alguns conselhos importantes na utilização e manuseamento de combustível, nomeadamente metanol.

  • O combustível deve ter o menor contacto possível com o ar, ou seja, deve-se evitar deixar a lata de combustível aberta num período superior ao reabastecimento do modelo;
  • Nunca se deve recolocar combustível utilizado pelo modelo na lata de combustível pois irá danificar o combustível ainda existente na mesma;
  • O combustível não deve estar por períodos longos ao sol de modo a não ficar danificado e deve ser armazenado a uma temperatura amena e estável não sofrendo grandes variações de temperatura;
  • Antes da utilização do combustível, deve-se primeiro abanar a lata do combustível de modo a misturar ao mesmo o óleo residente no fundo da lata.
Publicado por: Sadofly | agosto 28, 2010

Introdução aos Motores a Combustão – Rodagem

O objectivo deste post é descrever, de um modo geral, como deve ser efectuada a rodagem de um motor a combustão.

A rodagem é a fase mais importante da vida de um motor. Um motor de combustão, qualquer ele que seja, necessita de ser rodado para que as partes mecânicas possam se acamar correctamente para que tudo funcione na perfeição. Isto é válido, no caso dos nossos motores miniaturas, para a biela, o piston, a camisa, os rolamentos, e o pino da cambota.
Fazer a rodagem com o carro em andamento não é simples, requer muito cuidado para não acelerar demasiado para além de demorar muito mais. É aconselhado que se faça a rodagem com o motor completamente livre, ou seja, sem o forçar.

Antes de colocar o motor a funcionar, retire a vela, abra o carburador ao máximo e faça rodar o motor com o starter de maneira a que saia um “repuxo” de combustivel pelo orifício da vela. Assim teremos a certeza que o motor está mais do que lubrificado. Volte a colocar a vela no lugar, não a apertando completamente. Tente agora meter o motor a funcionar. Logo que este funcione, aperte correctamente a vela. Abra (desaperte) 1/2 volta a agulha da alta do carburador e aperte 1/2 volta o parafuso do ralenti. Isto fará com que o motor trabalhe muito lubrificado e a um regime estável. Deixe funcionar assim 1 ou 2 depósitos. Tenha cuidado em não deixar acabar o combustível durante a rodagem.

Acabados estes 2 depósitos, acelere o motor a meio gás  e mantenha essa rotação. Faça isto durante uns 5 depósitos. Tenha cuidado com a temperatura. Caso tenha um termómetro digital, não deixe o motor passar dos 55ºC. Caso necessário, abra mais 1/4 de volta a agulha da alta. Um truque para saber se a rodagem está a ser feita à temperatura correcta, é verificar se existe condensação na parede exterior do carburador (geralmente este é metálico). Se existe, é bom sinal.

Faça mais 3 depósitos, com o motor montado no carro, mas sem acelerar demasiado, apertando de cada vez 1/4 de volta a agulha da alta. Acabando este passo, terá um motor perfeitamente rodado, que terá, com algum cuidado claro, uma grande durabilidade.

Publicado por: Sadofly | agosto 28, 2010

Manual de Construção de Asas Voadoras

No link seguinte encontra-se um manual de construção de asas voadoras concebido com o objectivo de divulgar o aeromodelismo:

http://www.e-voo.com/manual/manualzagi.pdf

Publicado por: Sadofly | agosto 16, 2010

Arranque de motores a combustão

Publicado por: Sadofly | agosto 15, 2010

Fotos diversas

FiveJet

Sikorski S39

AT-6

MIG-29

Domingos Flores

Publicado por: Sadofly | agosto 15, 2010

Encontros e exposições de aeromodelismo

Encontro H13 Alcochete 2010

Exposição aeromodelismo Quinta do Conde 2008

Encontro Aeromania Sintra 2010

Encontro Aeromania Sintra 2010

Encontro Aeromania Sintra 2010

Encontro Aeromania Sintra 2010

Coimbra Jets 2009

Encontro PCR 2009

HeliOpen 2009

HeliOpen 2009

Indor 2006 Setúbal

27 Aniversario CAS 2009

Exposição Jardim da Algodeia Setubal

Air Show Évora 2009

Publicado por: Sadofly | agosto 14, 2010

Cessna Agwagon

Este post retrata as fases de construção de uma CESSNA A188A AGWAGON “B”.

Especificações Técnicas:

  • Plano da Nova Zelândia
  • Envergadura: 3500 mm
  • Motorização: Gasolina 80 cc

Modelo Real

 

 

« Newer Posts - Older Posts »

Categorias